23 março 2015

Ao fim de 13 horas...

By, [miss]Framboesa
Chegámos ao fim da tarde.Esperava que estivesse bastante frio porque dias antes as temperaturas atingiram os 2 graus (sim, também descobrimos isso recentemente...Orlando é Florida, mas não é Miami) mas estava ameno.

Tinhamos reservado um shuttle da Mears, ainda tivemos que esperar um pouco para haver lugar (e depois de 13 horas de voo com uma escala de 3 horas pelo meio, qualquer minuto a espera seja do que for, é demasiado) mas lá chegámos finalmente ao hotel escolhido

A primeira ideia que nos surgiu foi a dos filmes americanos, aqueles hoteis tipicos, cada quarto com a porta virada para fora, uma varanda comprida ao longo de todo o hotel...reparamos que era o comum para os hoteis economicos por aquelas bandas, mas que á primeira vista nos causou estranheza causou.(Claro que fizemos logo o comentário da praxe que parecia o tipo de hotel onde se vai esconder o assassino enquanto está a ser procurado pela policia e depois a policia anda de quarto em quarto a bater a porta...ehehehe). Mas depois até gostamos bastante do quarto, super espaçoso e um duche maravilhoso (ou então eramos nós que estavamos a implorar por um duche nem que fosse a balde)

Fomos dar uma volta para espairecer, despertar, beber um café com urgência, ambientarmo-nos com a área.Ficámos na International Drive (I Drive para os amigos), na zona mais central.Apesar de haver muitos bares, restaurantes (especialmente aqueles emblemáticos dos States), alguns supermercados, varias lojas, Orlando não é tão animada nem tão cheia de gente como South Beach.Tem zonas mais animadas claro e outras areas mais descampadas, mas deambulámos com algum cuidado e apreensão até porque a cidade em si, a alguns kilometros da zona turistica, tem um dos índices mais elevados de criminalidade dos EUA. 

Fomos levantar os nossos bilhetes para o Universal Studios Resort (não era marosca...yes!) e tratar do passe para o I-Ride-Trolley, um autocarro turistico que fazia a avenida toda de uma ponta a outra.Comemos num restaurante decidido á pressa, o Panda Express (não costumamos comer fast food em viagem, a menos que seja uma cadeia famosa e desconhecida para nós, e esta era-o e o jantar foi bem saboroso!), passamos por um dos maiores Mac Donalds do Mundo (e era enorme lá dentro, com varios andares, pizzas, comida gourmet...engraçado) e perdemo-nos no Wallgreens: ele nas engenhoquices americananas, eu nos chocolates e nas filas e filas de cosméticos, 30 tons de bases que cá só existem em 2 tons, preços bem mais amigos...enfim...











Por mais que tenhamos tentado esticar as horas acordados estavamos derreados...estavamos acordados há mais de 24 horas, de certeza que íamos dormir ferrados e tive a esperança de não ser traída pelo jet lag e conseguir estar a dormir até pelo menos as 5 da manhã...o que já era uma pequena vitória...

(O que até tinha acontecido se às 3 da manhã em ponto, 3 horas depois de nos deitarmos, não tivesse tocado o despertador do quarto com musica espanhola, volume no máximo, nós assustadissimos sem saber de onde vinha aquele som estridente...)

Xo,Xo, F.

1 comentário:

Sandra disse...

Os EUA tanto me fascinam como me arrepiam - é um país de grandes opostos.