23 dezembro 2014

E nesta época fico ainda mais introspetiva

By, [miss]Framboesa
Amo-te Pe.
Xo,Xo, F.

Um questão de narizes

By, [miss]Framboesa
Se por qualquer motivo culinário precisarem de drageias de chocolate vermelhas para fazer narizes de Rudolfo (tipo M n' Ms de chocolate), não comprem Pintarolas: as drageias vermelhas são de uma cor esbatida e ía parecer que os vossos Rudolfos tinham focinhos de porco. Os Lacasitos são de um vermelho aceitável e as mais vermelhas são M n M's, mas são mais caras que as outras. Não testámos mais marcas, mas prometo que para o ano faço um estudo de mercado exaustivo.

(Framboesa, a salvar natais desde 1977)
Xo,Xo, F.

Feliz Natal!

By, [miss]Framboesa

Xo,Xo, F.

15 dezembro 2014

Espirito natalicio

By, [miss]Framboesa
Nós, esparramados no sofá, podres, sem árvore, sem velas, sem coisa nenhuma natalícia (fora o presépio, o tal que é outra história) ele com gripe, eu cheia de dores de costas.

Ele-Há medicamentos em todas as superfícies da casa...
Eu-São as decorações de Natal de todas as cores, formatos e feitios, já que não temos mais nenhumas ...parece que este ano não temos Natal... :(
Ele-Temos pois! É o "Natal dos Hospitais"!
Xo,Xo, F.

09 dezembro 2014

O Atomium, as gaufres e o cheiro a chocolate belga

By, [miss]Framboesa
E diziam-me que Bruxelas não tinha muito que ver, que um dia bastava, que era feia que doía, que os belgas eram antipáticos (conhecem os parisienses? e os nova iorquinos? ui, aí é que íam ver o que era antipatia...) ... O que é certo é que esta escapadinha foi muito, muito boa...Não tanto pela cidade em si, não podemos comparar Bruxelas a Londres, ou Roma, em que tropeçamos em monumentos em todo o lado e em que tudo é lindo e maravilhoso, mas se levarmos a coisa planeada podemos ser supreendidos pela cidade do "Manekinho" e das batatas fritas. E nós levávamos.

Começámos a escapadinha com uma noite em Brugges...uma vila com canais saída de um conto de fadas, com casinhas engraçadas, cisnes por todo o lado, chocolatarias e uma língua estranha que não compreendíamos (valha-nos o inglês, "portunhol" e "françuguês"). Ficámos num pequeno hotel, típico, antigo, cama de dossel (dissemos logo que para um local assim queriamos algo condicente, sem a impessoalidade de um Ibis) que podia bem ser a casa da avó centenária de alguém e fomos recebidos com um grande sorriso e simpatia pela dona. Deambulámos pelas ruelas, perdemo-nos, passeámos no mercadinho de Natal, fomos ver os moinhos, comemos comida típica, ouvimos os carrilhões de 15 em 15 minutos (receámos que de noite tocassem de 15 em 15 minutos, já que o nosso quarto tinha vista direta para a torre...á noite não tocam...ufa!) andámos de barco e deslumbrámo-nos com cada recanto que parecia cenário de filme.Repetiamos constantemente que aquele local não existia de raiz, tinha certamente sido construido para deslumbrar os visitantes. 

Rumámos a Bruxelas e chegámos já ao fim da tarde...as primeiras impressões não foram as melhores. A máquina do passe de transportes não funcionava, não davamos com as estações certas no metro, estavam em obras junto ao nosso hotel...

Mas depois tudo foi melhorando e aprendemos a gostar desta cidade cujas atrações e segredos têm que ser desvendados. 


Fomos ao Parlamento Europeu e vimos in loco a sala onde são tomadas as decisões que tanto nos afetam, visitámos igrejas enormes, vimos a Torre de Belém em miniatura na Mini Europa (e eu tirei 85649 fotos ao Big Ben), admirámo-nos com o tamanho do Atomium, fomos ao Museu de BD (visitar os Estrunfes e o Tin-Tin) e ao Museu Magritte (constatar a loucura que ía naquela cabeça), subimos o elevador dos Maroles (e mesmo assim não conseguimos uma foto que captasse o Palácio de Justiça, o edificio maior da Bélgica e um dos maiores do Mundo!), passeámos na Rue Neuve repleta de gente ás compras (onde fiz logo umas comprinhas com saldos da Black Friday) e no Parque Cinquentenário com o grandioso Arco do Triunfo, descobrimos murais de Bd nos locais mais inóspitos. Estivemos no Mercado de Midi de Domingo (vimos bifanas e "mines" a vender!) e no mercado Jeu de Balle com milhares de velharias e tarecos engraçados.

E fomos ver o Manneken-Pis pois claro (e a Jeanneke Pis, a menina...esquecemo-nos foi de ver o cão, o Zinneke Pis)...mas nunca o vimos em pelota, estava sempre com uma fatiota diferente...devia ser do frio!

E as comezainas? Oh senhores, batatas fritas gordas por todo o lado, cheirinho a gaufres pelo ar onde quer que fossemos...Provámos as moules-frites,o stoemp com salsicha, a carbonade flamande, as bolachas speculoos, os cuberdons e os bombons...Nunca vi tanta casa de bombons por metro quadrado!

Á noite a Grand Place (maravilhosa!) ganhava vida com um espetaculo de som, luz e cor e os Mercados de Natal eram invadidos por cheiro de vinho com especiarias e chocolate quente, salsichas grelhadas e muitas guloseimas. O ambiente festivo era contagiante e coincidente com o meu imaginário natalício.

Ao contrário do que esperávamos os bares e as esplanadas estavam sempre cheias de pessoas animadas (e é com alguma tristeza que constato que Lisboa é das poucas cidades por esse mundo fora onde não vejo esta agitação pós-laboral 7 dias por semana...).

Foram uns dias muito divertidos que superaram as nossas expetativas...e agora começamos a sonhar com as mini férias natalícias de 2015 ;)
Xo,Xo, F.

01 dezembro 2014

Na Flandres

By, [miss]Framboesa

E o que se faz quando se deixa juntar prendas em atraso, pneus do carro para tratar, inspeção do dito, trapalhadas com a Meo, assuntos paralelos, work e tudo e tudo e tudo? (Muitos "tudos" aliás...)
Vão-se passar uns dias a Brugges e Bruxelas, assim a fingir que as coisas se resolvem "de per si" na nossa ausência.

Nota: Não se resolvem. (Mas foi muitooooo fixe!)
Xo,Xo, F.

Cinco razões para ser feliz #6

By, [miss]Framboesa

...Em Dezembro

1. É o mês do Natal (fa-la-la-la-la-lala-la-la)
2. Almoços, festejos, jantaradas natalícias
3. Pequeno almoço de fatias douradas
4. O calor que se sente nestes dias.O humano <3
5. A antecipação da Noite de Reveillon

24 novembro 2014

Querido Pai Natal

By, [miss]Framboesa

Atrasei-me.Atrasei-me,pronto.

Noutros anos por esta altura já tenho os presentes de Natal quase todos comprados.Linda menina.

Este ano tem sido o que sabes. Entre constipações, preguiça, mazelas, preguiça e preguiça, estou muito atrasada.

Não comprei quase nenhum presente. 
(Na verdade comprei um, unzinho.Um.Hoje.)

E não me parece que a coisa vá avançar muito nas próximas duas semanas.
Depois junta-se a decoração da casa e sabes ao que me refiro e as horas que a coisa demora (vá lá que o presépio já tenho...Ah não sabias?Pois olha, já tenho, mas isto dava para outro post), as festas natalícias...Parece que vou ver ao vivo e a cores o que seja o tal de stress natalício...

Por isso das duas uma, ou este ano fazes o teu serviço (é uma noite por ano, vá lá...para o ano trato de tudo em Agosto...) ou começo uma nova tradição de presentear nos Reis.(Secalhar devia já dar uma palavrinha ao Belchior).

E era isto. 

Bjs Framboesa (procura na lista das meninas boazinhas, ou então na outra para o caso de estar lá por engano)
Xo,Xo, F.

09 novembro 2014

Na volta é um ódio de estimação e eu não sei

By, [miss]Framboesa

Estão de novo na moda mas já quando estavam na moda há 30 anos não gostava nada de tenis brancos que eu na altura chamava "á enfermeira".Falo dos tenis tipo Stan Smith. (Acho-os horriveis).Sei que é uma coisa minha porque são um best seller...

Aliás não só não gostava deste genero de tenis brancos como não gostava de nenhuns tenis desportivos brancos e lembro-me de ser estranhada pelas minhas colegas quando me apresentei nas aulas de Educação Física com uns tenis pretos (de rapaz, pois claro, há quase 30 anos não havia cá essas coisas para rapariga).

Nunca serei uma fashion adviser.
Xo,Xo, F.

07 novembro 2014

Muito, permanente e em abundancia!

By, [miss]Framboesa
Já se inventou tudo e tudo e tudo, o pessoal enriquece à conta de nada, por isso a minha esperança de enriquecer á pala de um novo combustível tem crescido em mim (li-te-ral-men-te) nos últimos dias.
Porque se eu conseguisse fazer uso dele, meus senhores,ficava rica.
Rica!

Refiro-me ao ranho que abunda na minha vida nos últimos tempos.

Não sei como transforma-lo em combustível ou em qualquer coisa rentável, mas não me conformo dispor de tanto espécime e em tanta abundância e não fazer mais nada com ele senão despejá-lo para lenços, papel higiénico ou o que tenha a mão.Tem que haver algum modo de fazer render isto, porque ainda agora estamos em Novembro e a coisa vai durar.

Assim como assim, aproveita-se a baba de caracol, certo?
Xo,Xo, F.

04 novembro 2014

5 Razões para ser feliz #5

By, [miss]Framboesa

...Em Novembro

1. Flanelas e pantufas
2. Compras de Natal
3. Dar graças lá mais para o fim do mês
4. One Republic + Girls Nigh Out! (yuheee!)
5. Uma escapada a dois, para visitar o Tin-Tin

31 outubro 2014

Halloween

By, [miss]Framboesa



Xo,Xo, F.


Podia acontecer a um de nós mas mesmo que assim não fosse...ajudem!

By, [miss]Framboesa
(daqui)

E agora para algo realmente grave 

A Genny e o Gonçalo estão a viver no Dubai há pouco mais de um ano. Ela estava grávida de 25 semanas e deu entrada no hospital com uma pré-eclampsia grave. A tensão altíssima não baixou, pelo contrário, e a Genny corria sério risco de vida. A única forma de a salvar era fazendo nascer a Margarida. Mas… a bebé tem um nível de prematuridade brutal. Pesa cerca de 400 gramas.Pior que isso é o facto de o seguro não comparticipar e o hospital cobrar 2000 euros POR DIA pela estadia de mãe e filha. A mãe está quase a ter alta mas a bebé vai ficar a lutar pela vida e estima-se que fique internada durante muito, muito tempo.Os pais estão desesperados. A conta já vai em 14 mil euros. São gente como nós, a quem uma tragédia bateu à porta, inesperadamente. Estão num país que não é o seu, e não consigo imaginar cenário mais assustador. 


Deixo-vos o NIB da Genny (Eugénia Queiroz). 
0035 0655 0000 1439 200 65 
Ajudem. 
Por favor

Xo,Xo, F.

30 outubro 2014

Lamechices das grandes

By, [miss]Framboesa
Ontem fui à ante-estreia do filme Dei-te o melhor de mim, baseado num livro de Nicholas Sparks (gracias Pipoca). E para não variar passei o filme de lágrima no olho e para cúmulo ainda me estrabuchei toda a chorar no fim, quando as luzes acenderam (dava para deixar as luzes desligadas mais, tipo, 5 minutos "senhores que controlam as luzes dos cinemas nos filmes lamechas", dava?). 

A fórmula Nicholas é sempre a mesma, já se sabe o fim decorridos 20 minutos de filme e eu já tenho idade para manter a compustura nestas situações.Mas os filmes baseados em livros deste senhor têm este efeito em mim, é a música, são os personagens, é o narrador, as frases chave.Desconfio que se Mr. Sparks escrevesse um livro sobre o amor impossível entre uma batata frita e um rolo de papel higiénico eu fartava-me de chorar também.Credo.Ainda para mais quando me dá para chorar nestas situações aquilo é coisa de ranho, soluços audíveis e rímel pela cara toda. 

Caramba. Vou passar a ver estes filmes em casa onde posso dar largas á minha pieguice.


Xo,Xo, F.

28 outubro 2014

Destralhar a vida

By, [miss]Framboesa

Andámos a arrumar o quarto dos arrumos, tratado com carinho como "quarto da desarrumação".É impressionante a quantidade de tralha que acumulamos, a papelada e dvd's que temos em caixas "para organizar" (yeh, right!), os aparelhómetros que já não funcionam há anos mas que guardamos just in case. Lá nos deu um rasgo de coragem e deitámos fora uma batelada de coisas  que não nos farão falta.Espero eu. Entretanto temos o saco com os cortinados (que comprámos há mil anos) a um canto do quarto, mas já com previsão para os montarmos a curto prazo.Espero eu.Fizemos uma prospeção de mercado para o candeeiro do escritório, já que a estrutura do nosso dá-nos cabo das lâmpadas todas e já faltou mais para ter que andar de lanterna a procurar coisas em armários e gavetas.Para a parede laranja da sala, começámos a definir uma composição de molduras com fotos, quotes e as nossas iniciais.Ainda só está no papel mas vai ficar giro.Espero eu (até porque depois de pregarmos os quadros na parede qualquer arrependimento vai dar uma trabalheira).Lá mais para a frente passamos aos sofás da sala, eventualmente os cortinados da cozinha, pintar o escritório.Ainda falta muito para estar tudo "ok", mas passo a passo chegamos lá.Espero eu.

Temos que começar por algum lado para destralhar, embelezar o que temos, mudar o que não gostamos, deitar fora o que não nos faz falta e só atrapalha. Especialmente deitar fora o que só nos atrapalha e nos impede de avançar. Em casa e na vida.
Xo,Xo, F.

10 outubro 2014

Cats

By, [miss]Framboesa

Há coisa de 20 anos, ficámos (eu, meus pais e uma prima minha) 3 dias em Nova Iorque, ultima paragem de uma viagem de pouco mais que uma semana.

Apesar de estafados nesta reta final das férias, metemo-nos numa fila para comprar bilhetes para um musical qualquer, calhou a ser o Cats. 

Começou a chover descomunalmente (foi em Agosto, 22 de Agosto, o dia a seguir aos meus anos, que passei retida no aeroporto devido á passagem de um furacãozito).

Comprámos chapéus de chuva a um vendedor que por ali passou.Rotos.Chovia dentro e fora dos chapéus, estavamos encharcados até aos ossos, mas não saímos da fila. E não parávamos de rir.

Á noite fomos ver o musical, depois de termos tomado um duche reconfortante.O cenário era incrivel, por mais anos que passem nunca esquecerei aquele cenário:estavamos dentro de uma lixeira criada proporcionalmente em termos de tamanho como se também nós fossemos do tamanho de gatos e fizessemos parte da história.
Ficamos numa área lateral instalados nuns sofás entre latas de sardinha gigantes e uma bota gigante remendada. Estavamos tão confortáveis, quentes, enxutos depois daquela chuvada, que adormecemos todos a meio do Musical.Acordámos assarampatados quando uma das gatas mandou um grito enorme.Rimos tanto!Tanto! Do Musical lembro-me de excertos e do "Memories", dos gatos que deambulavam por ali e invadiam os meus sonhos enquanto passava pelas brasas. 

Engraçado como na altura nem me apercebi do privilegio de estar ali a ver este espetaculo na famosa Broadway em Nova Iorque.
Xo,Xo, F.

09 outubro 2014

Cheia de ideias, "portantos"

By, [miss]Framboesa
Se eu escrevesse um livro começaria a narrativa sempre, ou numa tarde de Outono, ou numa manhã de chuva. 

Imagino-o sempre assim, com a chuva a cair lá fora (na minha ideia a chuva é sempre lá fora) ou então num banco de jardim com as folhas a desprenderem-se de uma árvore amarelecida.

Também podia incluir estes dois momentos da chuva e das folhas de Outono. 

Começava numa tarde de Outono e lá mais para o meio do livro (que é como quem diz na 23.ª página, não me parece que tenha assim tanta coisa para dizer...ou por outro lado lá para a 476.ª página, porque ás vezes quando começo a escrever não consigo parar) passava para a manhã de Domingo chuvosa.De Domingo porque estava a ver a chuva cair lá fora, e não enquanto ía a caminho do trabalho. Sim, faz sentido.

Ou então saltava as estações que gosto menos. 

Começava na manhã chuvosa de Domingo (também pode ser de um dia feriado, ou férias, embora nas férias eu não seja menina para estar enfiada em casa...mas podia ser a personagem...pois bem).
Adiante.
Início.Manhã chuvosa de um dia qualquer que fizesse sentido estar em casa a ver a chuva a cair lá fora pela manhã e saltava para o Outono, com as folhas das árvores amarelecidas. 
Pelo meio tinha que arranjar qualquer coisa que justificasse este salto do Inverno para o Outono. A personagem podia estar desaparecida durante este tempo.Ou amnésica.Ou em coma. (Credo!).Não, em coma não. Não quero tanto drama no meu livro. Não interessa agora, lá me arranjarei, o enredo passava-se entre chuva e folhas.

Na volta ainda vou escrever um livro sobre meteorologia.
Xo,Xo, F.

03 outubro 2014

Friday!I'm in love...

By, [miss]Framboesa


Comprei esta menina na nossa viagem de Abril passado aos "States" mas só há algumas semanas comecei a usar.E gosto,gosto,gosto...fico com as pestanas esticadinhas, farfalhudas e penteadas. Minnie Mouse tu põe-te a pau!
Xo,Xo, F.