30 junho 2011

A minha Avó A.

By, [miss]Framboesa

Durante grande parte da minha infância fui criada pela minha Avó materna, a Avó A. 
A Avó A. era uma boa Avó à maneira dela, mas tinha um modo muito próprio de encarar o Mundo e a vida. Achava que deviam existir regras para tudo, muito respeitinho e contenção e sobretudo que as meninas não andam aos saltos e a "gargalhar" pela rua fora.

A Avó A. nos dias de Verão enfiava-me num tanque com a água um pouco acima dos joelhos e esfregava-os até à exaustão para desaparecer o "sujo", "sujo" este que eu arranjava por andar "de rojo" a brincar e "andar sempre com a cabeça no ar a pensar em maluquices". Mas o "sujo" nada mais era que o tom natural bronzeado que eu tinha quer nos joelhos, quer nos cotovelos, por isso nunca desaparecia como ela queria. Então quando estavam quase vermelhos de tanto esfregar, ela lá se resignava e dizia "Vá por hoje já quase desapareceu, amanhã lava-se outra vez".

A Avó A. não gostava que eu andasse com o cabelo solto...não era coisa de menina de bem.Como naquela altura não tinhamos cá dinheiro para ganchos e elásticos "pipis", e os poucos que compravamos eu arranjava maneira de perder, a Avó A. prendia-me o cabelo (penteva-me com a parte mais fina do pente) num airoso rabo de cavalo com atacadores de ténis. Claro que me debati contra esta situação: tinha lá algum jeito eu chegar à escola com atacadores na cabeça... Como não a consegui demover, comecei a tirar o dito a meio caminho da escola e voltava a atar antes de regressar a casa. E pronto, ela ficava toda feliz por eu andar tão bem aprumada na escola.

Detestava que eu me fosse "enfiar na casa dos meus primos" mal a minha mãe chegava do trabalho ao fim da tarde e eu tinha "ordem de soltura", porque não lhe parecia bem uma menina decente andar na casa dos outros.

E bebia caldo (uma bebida feita á base de farinha torrada), deixava-me pentea-la e pintar-lhe as unhas, via ballet comigo na Tv (e escandalizava-se com as collants dos bailarinos a apertarem as suas "merendeiras") (lol), levava-me a passear na zona de mão dada com ela, ía comigo aos grilos, lírios, papoilas e amoras.
Usava combinação com a renda a aparecer, deixava-me tentar ensina-la a ler e escrever, fazia fritos de Natal, tinha um jeito fora de vulgar para jardinagem, um sotaque acentuado do Alentejo e ria-se das minhas parvoices.

Hoje acordei a pensar nela, na minha Avó A. de quem eu herdei o nome.(Beijinhos Avó!)

Xo,Xo, F.

9 comentários:

Anónimo disse...

tive uma que nunca conheci....tive um avô que quase não tive contacto...e felizmente ainte tenho 2 vivos e de boa saude, nos quais me enquadro em algumas situações que dscreveste. bjokas, flecha

trintona disse...

Eu também tenho uma avó assim, especial!
Gostei muito do teu texto.

Saltos Altos Vermelhos disse...

que lindo relato :) tenho pena nunca ter tido a oportunidade de conhecer as minhas :(

S* disse...

Pessoas que nos marcam... para sempre.

Framboesa (uma diva de galochas) disse...

Flecha O meu avô materno não conheci, e o meu avô paterno faleceu era eu ainda garota (embora me recorde dele); a Avó A. faleceu com 83 anos tinha eu 14 anos +-; neste momento tenho a Avó C. em Tras os Montes com 93 anos (uma gaiata) Bjokas

Trintona Deve ser uma caracteristica que adquirem com o tempo, serem assim tão especiais :)

Saltos Altos Vermelhos Obrigada :) Que pena realmente, mas certamente alguém te poderá contar coisas delas e fazeres assim as tuas ppas recordações:)

S* Ao me criar desde o berço marcou muita da minha personalidade e vida.Nunca a esquecerei ;-)

CV Love disse...

Adore este texto, eu felizmente ainda Tenno os 4 Avos, cada um com a sua personalidade, sempre foram pessoas super import antes. Lembro-me de ser peahens e receber recormendacoes do genero : uma menina and a sempre com um pe a frente do outro, em Casa dos outros nao se retepe a refeicao, nao se diz comer, diz-se vamos para a Mesa, nao se diz vamos comer. Doces
recordacoes

Framboesa (uma diva de galochas) disse...

CV Love Obrigada pelas tuas bonitas palavras :) sei bem do que falas, essas recordações e imagens preenchem a minha memória :) Infelizmente ja só tenho uma avó e está longe em tras os montes .Bjs

Pedro Gaivota disse...

;)Gostei...

Framboesa (uma diva de galochas) disse...

Obrigada Pedro.Beijos :)