23 março 2015

Ao fim de 13 horas...

By, [miss]Framboesa
Chegámos ao fim da tarde.Esperava que estivesse bastante frio porque dias antes as temperaturas atingiram os 2 graus (sim, também descobrimos isso recentemente...Orlando é Florida, mas não é Miami) mas estava ameno.

Tinhamos reservado um shuttle da Mears, ainda tivemos que esperar um pouco para haver lugar (e depois de 13 horas de voo com uma escala de 3 horas pelo meio, qualquer minuto a espera seja do que for, é demasiado) mas lá chegámos finalmente ao hotel escolhido

A primeira ideia que nos surgiu foi a dos filmes americanos, aqueles hoteis tipicos, cada quarto com a porta virada para fora, uma varanda comprida ao longo de todo o hotel...reparamos que era o comum para os hoteis economicos por aquelas bandas, mas que á primeira vista nos causou estranheza causou.(Claro que fizemos logo o comentário da praxe que parecia o tipo de hotel onde se vai esconder o assassino enquanto está a ser procurado pela policia e depois a policia anda de quarto em quarto a bater a porta...ehehehe). Mas depois até gostamos bastante do quarto, super espaçoso e um duche maravilhoso (ou então eramos nós que estavamos a implorar por um duche nem que fosse a balde)

Fomos dar uma volta para espairecer, despertar, beber um café com urgência, ambientarmo-nos com a área.Ficámos na International Drive (I Drive para os amigos), na zona mais central.Apesar de haver muitos bares, restaurantes (especialmente aqueles emblemáticos dos States), alguns supermercados, varias lojas, Orlando não é tão animada nem tão cheia de gente como South Beach.Tem zonas mais animadas claro e outras areas mais descampadas, mas deambulámos com algum cuidado e apreensão até porque a cidade em si, a alguns kilometros da zona turistica, tem um dos índices mais elevados de criminalidade dos EUA. 

Fomos levantar os nossos bilhetes para o Universal Studios Resort (não era marosca...yes!) e tratar do passe para o I-Ride-Trolley, um autocarro turistico que fazia a avenida toda de uma ponta a outra.Comemos num restaurante decidido á pressa, o Panda Express (não costumamos comer fast food em viagem, a menos que seja uma cadeia famosa e desconhecida para nós, e esta era-o e o jantar foi bem saboroso!), passamos por um dos maiores Mac Donalds do Mundo (e era enorme lá dentro, com varios andares, pizzas, comida gourmet...engraçado) e perdemo-nos no Wallgreens: ele nas engenhoquices americananas, eu nos chocolates e nas filas e filas de cosméticos, 30 tons de bases que cá só existem em 2 tons, preços bem mais amigos...enfim...











Por mais que tenhamos tentado esticar as horas acordados estavamos derreados...estavamos acordados há mais de 24 horas, de certeza que íamos dormir ferrados e tive a esperança de não ser traída pelo jet lag e conseguir estar a dormir até pelo menos as 5 da manhã...o que já era uma pequena vitória...

(O que até tinha acontecido se às 3 da manhã em ponto, 3 horas depois de nos deitarmos, não tivesse tocado o despertador do quarto com musica espanhola, volume no máximo, nós assustadissimos sem saber de onde vinha aquele som estridente...)

Xo,Xo, F.

19 março 2015

Razão #5141791761 ...porque eu tenho o melhor pai do Mundo!

By, [miss]Framboesa
O ano passado fizemos a travessia do Atlântico, com os meus pais, a bordo de um navio de cruzeiro. Num dos dias de dolce fare niente, andavamos eu e o meu pai a passear pela avenida do navio, a ver os saldos e promoções do dia, quando uma das senhoras das bancas de vendas apontou para o meu pai, riu-se e fez o sinal "like" com os dedos! O meu pai não percebeu muito bem aquele gesto tão efusivo, fez também "like" com o dedo e aquilo passou-se. Mas como a senhora continuava a rir eu olhei para o meu pai para ver qual o alvo da risota.

A t-shirt que o meu pai tinha vestido.

Na verdade tinha andado com ela o dia todo, mas estava tapada pela sweat shirt, por isso não tinha dado por ela... e agora ali andava ele com ela destapada a exibi-la por todo o navio e a todos os "english speakers" a bordo.

Olhei para o meu pai, mandei um pequeno grito de espanto e disse-lhe que secalhar mais valia ir mudar de t-shirt. Quando a senhora da banca viu que o meu pai não fazia ideia do que estava escrito na t-shirt aí desatou ás gargalhadas ao ver-me tentar explicar ao meu pai e ele a ficar admiradissimo.

E era uma t-shirt com o texto igual a esta (comprada pelos meus papás por sua conta e risco, em Playa del Carmen, porque acharam que era...gira) que o meu pai andava inocentemente a exibir num cruzeiro maioritariamente com americanos e neste caso com americanos um pouco mais cotas e conservadores:

P.S. E o meu pai, mesmo depois de lhe explicar, não achou que vinha mal algum ao mundo andar com a mesma.
Xo,Xo, F.

17 março 2015

Orlando sem Disney

By, [miss]Framboesa
Esta viagem foi diferente de viagens anteriores.Começou do nada, sem nenhum planeamento.Vimos um cruzeiro em promoção, promoção esta fantástica e que só durava 24 horas e a partir daí foi um desenrolar de marcações em contra relógio. 

Eu sempre disse que nunca iriamos a Orlando sem ir ao Walt Disney World (a minha viagem de sonho).Impensável. Mas fomos e roí-me todinha sempre que vía merchandising do Mickey Mouse (o que acontecia de 10 em 10 segundos).

Marcámos então o cruzeiro (esperámos até á ultima hora das 24 horas, com indecisões se deviamos ou não avançar, o sistema deu erro e as indecisões passaram logo num ápice...nós queríamos mesmo fazer esta viagem!).Depois os vôos (OMG, o voo pela Virgin Atlantic foi tão, tão bom...parecia que estavamos em primeira classe...ehehehe). Os hoteis foram escolhidos a pressa (esses foram depois remarcados para melhores preços). Tratámos do ESTA.Demorámos uma eternidade a conseguir arranjar carros que pudessemos levantar em Orlando e deixar em Cape Canaveral e vice versa. Outra eternidade a perceber as clausulas contratuaias que cada agencia exigia aos "non US residents". Agendámos o voo livre do Mike (I-Fly).Encaixámos o Kennedy Space Center no regresso do cruzeiro. Estudámos os 4 portos. Como dois dos portos por onde passavamos não eram os mais seguros para fazermos por nossa conta, marcamos duas excursões com empresas locais (safari+praia e mergulho com tubarões e raias)(e tivemos receio que aquilo fosse uma marosca qualquer).Arranjámos bilhetes para os parques Universal Studios ao abrigo de uma promoção de pague 2 dias, oferta do 3.º, a unica maneira de conseguirmos ir ao Mardi Gras na vespera da viagem de regresso.(mais uma vez com receio que fosse uma marosca). Tinha tanta papelada, vouchers, mapas, circuitos e anotações que tive que fazer uma pasta com etiquetas para não me perder! Andamos numa fona a tentar fazer as malas adaptadas a temperaturas que oscilavam de 5 graus a 30 graus.

E no dia 24, pouco antes das 5 da manhã começou a aventura.
Xo,Xo, F.

10 março 2015

Das saudades

By, [miss]Framboesa
Fomos a Hogsmeade e Hogwarts.E à NASA.E nadámos com tubarões e raias.E ele voou em queda livre.E celebramos o mardi gras.E apanhámos muito frio e muito calor.Foram 2 semanas inesquecíveis marcadas á doida que não cabem num blog, quanto mais num post.
Xo,Xo, F.