31 outubro 2014

Halloween

By, [miss]Framboesa



Xo,Xo, F.


Podia acontecer a um de nós mas mesmo que assim não fosse...ajudem!

By, [miss]Framboesa
(daqui)

E agora para algo realmente grave 

A Genny e o Gonçalo estão a viver no Dubai há pouco mais de um ano. Ela estava grávida de 25 semanas e deu entrada no hospital com uma pré-eclampsia grave. A tensão altíssima não baixou, pelo contrário, e a Genny corria sério risco de vida. A única forma de a salvar era fazendo nascer a Margarida. Mas… a bebé tem um nível de prematuridade brutal. Pesa cerca de 400 gramas.Pior que isso é o facto de o seguro não comparticipar e o hospital cobrar 2000 euros POR DIA pela estadia de mãe e filha. A mãe está quase a ter alta mas a bebé vai ficar a lutar pela vida e estima-se que fique internada durante muito, muito tempo.Os pais estão desesperados. A conta já vai em 14 mil euros. São gente como nós, a quem uma tragédia bateu à porta, inesperadamente. Estão num país que não é o seu, e não consigo imaginar cenário mais assustador. 


Deixo-vos o NIB da Genny (Eugénia Queiroz). 
0035 0655 0000 1439 200 65 
Ajudem. 
Por favor

Xo,Xo, F.

30 outubro 2014

Lamechices das grandes

By, [miss]Framboesa
Ontem fui à ante-estreia do filme Dei-te o melhor de mim, baseado num livro de Nicholas Sparks (gracias Pipoca). E para não variar passei o filme de lágrima no olho e para cúmulo ainda me estrabuchei toda a chorar no fim, quando as luzes acenderam (dava para deixar as luzes desligadas mais, tipo, 5 minutos "senhores que controlam as luzes dos cinemas nos filmes lamechas", dava?). 

A fórmula Nicholas é sempre a mesma, já se sabe o fim decorridos 20 minutos de filme e eu já tenho idade para manter a compustura nestas situações.Mas os filmes baseados em livros deste senhor têm este efeito em mim, é a música, são os personagens, é o narrador, as frases chave.Desconfio que se Mr. Sparks escrevesse um livro sobre o amor impossível entre uma batata frita e um rolo de papel higiénico eu fartava-me de chorar também.Credo.Ainda para mais quando me dá para chorar nestas situações aquilo é coisa de ranho, soluços audíveis e rímel pela cara toda. 

Caramba. Vou passar a ver estes filmes em casa onde posso dar largas á minha pieguice.


Xo,Xo, F.

28 outubro 2014

Destralhar a vida

By, [miss]Framboesa

Andámos a arrumar o quarto dos arrumos, tratado com carinho como "quarto da desarrumação".É impressionante a quantidade de tralha que acumulamos, a papelada e dvd's que temos em caixas "para organizar" (yeh, right!), os aparelhómetros que já não funcionam há anos mas que guardamos just in case. Lá nos deu um rasgo de coragem e deitámos fora uma batelada de coisas  que não nos farão falta.Espero eu. Entretanto temos o saco com os cortinados (que comprámos há mil anos) a um canto do quarto, mas já com previsão para os montarmos a curto prazo.Espero eu.Fizemos uma prospeção de mercado para o candeeiro do escritório, já que a estrutura do nosso dá-nos cabo das lâmpadas todas e já faltou mais para ter que andar de lanterna a procurar coisas em armários e gavetas.Para a parede laranja da sala, começámos a definir uma composição de molduras com fotos, quotes e as nossas iniciais.Ainda só está no papel mas vai ficar giro.Espero eu (até porque depois de pregarmos os quadros na parede qualquer arrependimento vai dar uma trabalheira).Lá mais para a frente passamos aos sofás da sala, eventualmente os cortinados da cozinha, pintar o escritório.Ainda falta muito para estar tudo "ok", mas passo a passo chegamos lá.Espero eu.

Temos que começar por algum lado para destralhar, embelezar o que temos, mudar o que não gostamos, deitar fora o que não nos faz falta e só atrapalha. Especialmente deitar fora o que só nos atrapalha e nos impede de avançar. Em casa e na vida.
Xo,Xo, F.

10 outubro 2014

Cats

By, [miss]Framboesa

Há coisa de 20 anos, ficámos (eu, meus pais e uma prima minha) 3 dias em Nova Iorque, ultima paragem de uma viagem de pouco mais que uma semana.

Apesar de estafados nesta reta final das férias, metemo-nos numa fila para comprar bilhetes para um musical qualquer, calhou a ser o Cats. 

Começou a chover descomunalmente (foi em Agosto, 22 de Agosto, o dia a seguir aos meus anos, que passei retida no aeroporto devido á passagem de um furacãozito).

Comprámos chapéus de chuva a um vendedor que por ali passou.Rotos.Chovia dentro e fora dos chapéus, estavamos encharcados até aos ossos, mas não saímos da fila. E não parávamos de rir.

Á noite fomos ver o musical, depois de termos tomado um duche reconfortante.O cenário era incrivel, por mais anos que passem nunca esquecerei aquele cenário:estavamos dentro de uma lixeira criada proporcionalmente em termos de tamanho como se também nós fossemos do tamanho de gatos e fizessemos parte da história.
Ficamos numa área lateral instalados nuns sofás entre latas de sardinha gigantes e uma bota gigante remendada. Estavamos tão confortáveis, quentes, enxutos depois daquela chuvada, que adormecemos todos a meio do Musical.Acordámos assarampatados quando uma das gatas mandou um grito enorme.Rimos tanto!Tanto! Do Musical lembro-me de excertos e do "Memories", dos gatos que deambulavam por ali e invadiam os meus sonhos enquanto passava pelas brasas. 

Engraçado como na altura nem me apercebi do privilegio de estar ali a ver este espetaculo na famosa Broadway em Nova Iorque.
Xo,Xo, F.

09 outubro 2014

Cheia de ideias, "portantos"

By, [miss]Framboesa
Se eu escrevesse um livro começaria a narrativa sempre, ou numa tarde de Outono, ou numa manhã de chuva. 

Imagino-o sempre assim, com a chuva a cair lá fora (na minha ideia a chuva é sempre lá fora) ou então num banco de jardim com as folhas a desprenderem-se de uma árvore amarelecida.

Também podia incluir estes dois momentos da chuva e das folhas de Outono. 

Começava numa tarde de Outono e lá mais para o meio do livro (que é como quem diz na 23.ª página, não me parece que tenha assim tanta coisa para dizer...ou por outro lado lá para a 476.ª página, porque ás vezes quando começo a escrever não consigo parar) passava para a manhã de Domingo chuvosa.De Domingo porque estava a ver a chuva cair lá fora, e não enquanto ía a caminho do trabalho. Sim, faz sentido.

Ou então saltava as estações que gosto menos. 

Começava na manhã chuvosa de Domingo (também pode ser de um dia feriado, ou férias, embora nas férias eu não seja menina para estar enfiada em casa...mas podia ser a personagem...pois bem).
Adiante.
Início.Manhã chuvosa de um dia qualquer que fizesse sentido estar em casa a ver a chuva a cair lá fora pela manhã e saltava para o Outono, com as folhas das árvores amarelecidas. 
Pelo meio tinha que arranjar qualquer coisa que justificasse este salto do Inverno para o Outono. A personagem podia estar desaparecida durante este tempo.Ou amnésica.Ou em coma. (Credo!).Não, em coma não. Não quero tanto drama no meu livro. Não interessa agora, lá me arranjarei, o enredo passava-se entre chuva e folhas.

Na volta ainda vou escrever um livro sobre meteorologia.
Xo,Xo, F.

03 outubro 2014

Friday!I'm in love...

By, [miss]Framboesa


Comprei esta menina na nossa viagem de Abril passado aos "States" mas só há algumas semanas comecei a usar.E gosto,gosto,gosto...fico com as pestanas esticadinhas, farfalhudas e penteadas. Minnie Mouse tu põe-te a pau!
Xo,Xo, F.

01 outubro 2014

Eu e os livros

By, [miss]Framboesa
Gosto de ler desde que me conheço. O fato de morar longe de outros miúdos da minha idade deve ter ajudado a cimentar este meu hábito, em detrimento de outras brincadeiras menos solitárias. Gostava dos livros da "Condessa de Segur", mais tarde da "Patricia", dos "Cinco". Era um prazer imenso receber livros como presentes.

Adorava ler nas férias grandes (aquelas que duravam, duravam...) e quando entrei para a faculdade aproveitava as quase duas horas de ida e volta do combóio. Adormecia a ler e andava sempre com um livro na mala. Recordo-me do drama de chegar ao fim um livro e não ter outro para ler ... Nessas alturas relia livros com o mesmo prazer da primeira leitura, mesmo já sabendo o desfecho.

Depois, não sei bem porquê, estive algum tempo sem ler tão rotineiramente. Deixei de andar de combóio e deixei de adormecer com um livro na almofada. As férias grandes passaram a "meia duzia" de dias. O dia-a-dia, a falta de tempo, o cansaço, as mil e uma series que sigo na tv....

Há alguns meses atrás recuperei este meu hábito. Tenho lido muito nas férias, aproveitado 30 minutos da hora de almoço, mais um tempinho ao serão e aos fins de semana. 

Ler transporta-me para um mundo à parte sem sair do sofá (o meu lugar favorito para ler quando estou em casa). Ler permite-me alhear-me de pensamentos menos bons e de problemas...É uma sensação fantástica a de pegar num livro e antever tudo o que nos espera naquele conjunto de 200,300,500 páginas... 
Leio de tudo, não busco nos livros algo específico, não costumo seguir modas nem uso os livros como um upgrade de status...Tanto me dá prazer romances com um pouco de humor e alguma pieguice à mistura, quanto policiais com desfechos improváveis. 
Leio de acordo com as estações do ano (a ver se qualquer dia disserto sobre isto...ehehehe). 

Hoje seria impensável reler um livro como o fazia há muitos anos atrás...tenho sempre a sensação que nunca conseguirei ler todos os livros que tenho, quanto mais todos os livros que quero ler...E no entanto a minha Wish List literária cresce praticamente todos os dias todas as semanas. E eu gosto tanto!

Miss Framboesa no GoodReads
Xo,Xo, F.

E depois há a Etsy

By, [miss]Framboesa

5 Razões para ser feliz #4

By, [miss]Framboesa

...Em Outubro

1. A minha estação favorita em todo o seu esplendor
2. Castanhas assadas, diospiros e romãs
3. A roupa de meia estação
4. O Halloween :O
5. Uma ida especial ao Hard Rock Cafe ;)